Porções: 4 Tempo de preparo: 15 minutos Cozimento: 1 hora

Cada porção de 260g contém (excluindo sugestão de porção)

KCal: 301 Carboidratos: 51,7g Fibras: 5,7g Proteínas: 6,9g Gorduras Totais: 6,2g Gorduras Saturadas: 0,9g Açúcares: 1,8g Sódio: 0,06g


Ingredientes

1,25 kg de batatas em fatias finas

3 dentes de alho fatiados

1 colher de sopa de tomilho fresco

2 colheres de sopa de azeite

Modo de preparo

Em um refratário grande levemente untado, coloque as batatas fatiadas, o alho fatiado e o tomilho fresco. Misture o azeite e 200ml de água, tempere e regue com as batatas. Cubra com papel alumínio e leve ao forno a 170ºC/gás 3, por 1 hora, retirando o papel alumínio na metade do cozimento.

Dicas

Você também pode fazer camadas com cebolas em fatias finas. Para um sabor extra, use caldo de legumes em vez de água ou cubra com um pouco de queijo ralado ao remover o papel alumínio. Você pode fazer isso com outros vegetais de raiz, como nabo ou batata doce.

Você pode congelar o prato depois do preparo. Descongele na geladeira ou no micro-ondas e reaqueça até ficar bem quente.

Leia mais

O dia-a-dia em um ambiente de home office traz consigo alguns desafios, como a manutenção de uma dieta saudável em meio à conveniência de uma cozinha abastecida e à ausência de pausas de trabalho estruturadas. Essa rotina requer estratégias deliberadas para garantir que os hábitos alimentares saudáveis permaneçam intactos.

Aqui estão sete dicas para ajudá-lo no trabalho remoto enquanto prioriza sua saúde:

1. Estabeleça Horários Regulares para as Refeições Manter horários consistentes para as refeições pode ajudar a regular os níveis de fome e evitar lanches excessivos ao longo do dia. Defina horários específicos para o café da manhã, almoço e jantar, visando intervalos de no máximo 4 a 5 horas entre as refeições. Assim como você cumpria os intervalos para o almoço no escritório, mantenha essa estrutura em casa para apoiar os ritmos naturais do seu corpo, especialmente se você depende de medicamentos para diabetes.

2. Pratique a Alimentação Consciente Dedique tempo exclusivo para as refeições longe da sua área de trabalho para cultivar a atenção plena em relação à alimentação. Evite a tentação de fazer várias coisas ao mesmo tempo comendo na frente do computador ou do celular. Em vez disso, saboreie cada mordida, prestando atenção aos sabores e texturas. A alimentação consciente promove um melhor controle das porções, maior satisfação e maior consciência dos sinais de saciedade, reduzindo a probabilidade de comer em excesso.

3. Crie uma Área de Trabalho Livre de Distrações Mantenha os alimentos fora do seu espaço de trabalho imediato para minimizar os lanches sem pensar e a alimentação induzida pelo estresse. Um ambiente livre de bagunça pode ajudar a aliviar os desejos desencadeados por estímulos visuais. Ao separar as áreas de alimentação e trabalho, você pode promover um relacionamento mais saudável com a comida e manter os níveis de produtividade ao longo do dia.

4. Mantenha-se Hidratado A hidratação adequada é crucial para o bem-estar geral e pode ajudar no gerenciamento dos níveis de glicose no sangue. Procure beber pelo menos 64 onças de água diariamente, espaçando sua ingestão uniformemente ao longo do expediente de trabalho em casa. Considere definir lembretes horários para garantir uma hidratação consistente. Opte pela água em vez de bebidas açucaradas e experimente variedades com infusão de frutas ou água com gás para adicionar sabor sem comprometer a saúde.

5. Planeje Lanches Nutritivos Estoque lanches saudáveis para saciar a fome entre as refeições sem recorrer a opções pouco saudáveis. Escolha lanches ricos em proteínas, fibras e gorduras saudáveis para promover saciedade e estabilizar os níveis de açúcar no sangue. Porcione os lanches com antecedência para evitar beliscar sem pensar e ajudar a manter o controle sobre suas escolhas alimentares.

6. Priorize o Planejamento de Refeições Continue com as práticas de planejamento de refeições da sua rotina de escritório, adaptando-as ao seu ambiente doméstico. Faça um inventário dos ingredientes disponíveis e explore novas receitas para diversificar suas refeições. Cozinhar em lotes e congelar porções extras pode economizar tempo e garantir acesso a refeições nutritivas ao longo da semana. Para pessoas com diabetes, seguir o método do prato é importante para regular a ingestão de carboidratos e promover a aderência à dieta.

7. Mantenha Estoque de Alimentos Essenciais no Armário Mantenha a despensa bem abastecida com ingredientes essenciais para facilitar o cozimento saudável em casa. Opte por itens versáteis, como feijões, macarrão integral, quinoa, tomates enlatados, azeite de oliva, nozes, manteigas de nozes e frutos do mar enlatados. Combine esses itens com frutas e vegetais frescos ou congelados para criar refeições equilibradas e nutritivas que apoiem seus objetivos dietéticos.

Em conclusão, embora a adaptação a um ambiente de trabalho remoto apresente desafios únicos, priorizar hábitos alimentares saudáveis permanece fundamental. Ao implementar essas estratégias, você pode navegar pelas complexidades do trabalho em casa enquanto protege sua saúde e gerencia eficazmente o diabetes. Lembre-se de abordar cada dia com atenção plena e resiliência, fazendo escolhas informadas que estejam alinhadas com seus objetivos de bem-estar.

Leia mais

O Diabetes Tipo 1 é uma condição complexa que afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Enquanto suas causas exatas ainda não são completamente compreendidas, a ciência tem avançado consideravelmente na compreensão de sua base genética. Este tipo de diabetes é frequentemente considerado uma doença autoimune, onde o sistema imunológico ataca e destrói as células beta do pâncreas, responsáveis pela produção de insulina.

A questão de saber se o Diabetes Tipo 1 é geneticamente determinado tem sido objeto de intensa investigação. Vários estudos e evidências sugerem uma forte predisposição genética para o desenvolvimento desta condição. O artigo da Healthline, intitulado “Is Type 1 Diabetes Genetic?” (em tradução livre: ”O Diabetes Tipo 1 é uma doença genética?”) aborda essa questão crucial, fornecendo uma visão abrangente do que a ciência sabe até o momento.

A pesquisa indica que o Diabetes Tipo 1 tem uma clara associação com determinados genes do sistema imunológico. Estudos de famílias e gêmeos sugerem que a genética desempenha um papel fundamental na susceptibilidade ao desenvolvimento desta doença. Além disso, a prevalência aumentada do Diabetes Tipo 1 em certas populações étnicas e em famílias com histórico da condição fornece mais evidências de um componente genético.

No entanto, a hereditariedade não é o único fator em jogo. Fatores ambientais também desempenham um papel crucial. Exposição a certos vírus, dieta e outros fatores ambientais podem desencadear o início do Diabetes Tipo 1 em indivíduos geneticamente predispostos. Essa interação complexa entre fatores genéticos e ambientais torna a compreensão da etiologia do Diabetes Tipo 1 um desafio contínuo para a comunidade científica.

O artigo destaca ainda a importância da pesquisa genômica no avanço do entendimento do Diabetes Tipo 1. Estudos genéticos em larga escala, como o mapeamento de loci (segmentos específicos de DNA em determinados genes) de susceptibilidade e a identificação de variantes genéticas associadas à condição, estão fornecendo insights valiosos sobre os mecanismos subjacentes ao desenvolvimento do Diabetes Tipo 1.

Enquanto o Diabetes Tipo 1 tem uma clara base genética, sua etiologia é multifacetada e envolve uma interação complexa entre fatores genéticos e ambientais. O progresso na pesquisa genômica e na compreensão dos mecanismos moleculares da doença é essencial para o desenvolvimento de novas estratégias de prevenção e tratamento.

Leia mais

A Dieta Mediterrânea tem sido reconhecida como uma das abordagens alimentares mais saudáveis do mundo, inspirada nos padrões alimentares tradicionais de países mediterrâneos como Grécia, Itália e Espanha. Esta dieta é caracterizada pelo consumo abundante de frutas, vegetais, legumes, grãos integrais, peixe, azeite de oliva e oleaginosas, com moderação no consumo de carnes vermelhas e açúcares refinados.

A riqueza e variedade de alimentos presentes na Dieta Mediterrânea oferecem uma ampla gama de nutrientes essenciais para o corpo humano. Ela é rica em fibras, vitaminas, minerais e antioxidantes, o que ajuda a promover a saúde cardiovascular, reduzir o risco de doenças crônicas como diabetes e câncer, e manter um peso saudável.

O consumo regular de azeite de oliva, uma das principais fontes de gordura na Dieta Mediterrânea, é associado a benefícios impressionantes para a saúde. O azeite de oliva extra virgem é rico em ácidos graxos monoinsaturados e compostos bioativos, como os polifenóis, que têm propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes, ajudando a proteger contra doenças cardiovasculares e a melhorar a saúde do cérebro.

Além disso, o alto consumo de peixe na Dieta Mediterrânea fornece ácidos graxos ômega-3, que são importantes para a saúde do coração e do cérebro. Os vegetais e frutas frescas fornecem uma variedade de vitaminas e antioxidantes, enquanto os grãos integrais são uma excelente fonte de fibras e nutrientes essenciais.

Outro aspecto importante da Dieta Mediterrânea é o seu enfoque na socialização e prazer à mesa. Comer refeições em família ou com amigos, saboreando alimentos frescos e saudáveis, contribui para uma relação mais positiva com a comida e para o bem-estar emocional.

Em resumo, a Dieta Mediterrânea oferece uma abordagem equilibrada e deliciosa para a alimentação saudável, repleta de nutrientes que promovem a saúde e o bem-estar em geral. Ao incorporar os princípios dessa dieta em nossa rotina alimentar, podemos desfrutar de uma vida mais longa, mais saudável e mais feliz.

Experimente incluir mais alimentos característicos da Dieta Mediterrânea em suas refeições diárias e descubra os benefícios transformadores que essa abordagem alimentar pode oferecer para a sua saúde e qualidade de vida.

Leia mais

Em um mundo onde somos constantemente bombardeados por dietas da moda e mensagens conflitantes sobre alimentação, é fácil perder o contato com nossos próprios sinais de fome e saciedade, e desenvolver uma relação negativa com a comida. No entanto, a prática da alimentação consciente oferece uma abordagem diferente – uma que nos convida a sintonizar com nossos corpos, honrar nossas necessidades e cultivar uma relação mais saudável e compassiva com a comida.

A alimentação consciente é uma prática antiga que tem suas raízes no budismo, mas nos últimos anos tem ganhado destaque como uma ferramenta eficaz para promover uma alimentação mais saudável e uma relação mais positiva com a comida. Em vez de se concentrar em restrições alimentares ou contar calorias, a alimentação consciente nos convida a prestar atenção plena aos nossos padrões de alimentação, sensações físicas e sinais de fome e saciedade.

Uma das chaves para praticar a alimentação consciente é comer com atenção plena, sem distrações. Isso significa desligar a TV, desligar o celular e realmente focar na experiência de comer – os sabores, texturas e aromas dos alimentos. Mastigue devagar, saboreie cada mordida e preste atenção aos sinais que seu corpo está enviando.

Outro aspecto importante da alimentação consciente é aprender a reconhecer a diferença entre fome física e fome emocional. Muitas vezes, recorremos à comida não porque estamos com fome, mas sim porque estamos entediados, estressados ou emocionalmente perturbados. Aprender a identificar esses gatilhos emocionais e desenvolver estratégias alternativas para lidar com eles pode ajudar a evitar comer em excesso e promover uma relação mais equilibrada com a comida.

A prática da alimentação consciente também envolve cultivar uma maior consciência de nossos sinais de fome e saciedade. Isso significa aprender a ouvir os sinais do nosso corpo e comer quando estamos com fome, parando quando estamos satisfeitos. Isso pode exigir prática e paciência, especialmente se estivermos acostumados a ignorar nossos sinais de saciedade ou a comer porções excessivas.

5 Dicas para Cultivar uma Relação Saudável com a Comida

  1. Pratique a alimentação consciente: Tire um tempo para saborear e apreciar cada refeição. Mastigue devagar, preste atenção aos sabores e texturas dos alimentos e reconheça os sinais de fome e saciedade do seu corpo.
  2. Ouça seu corpo: Aprenda a reconhecer os sinais de fome e saciedade do seu corpo. Coma quando estiver com fome e pare quando estiver satisfeito, evitando comer em excesso ou ignorar a fome.
  3. Cultive uma relação compassiva com a comida: Abandone a culpa e o julgamento em torno dos alimentos. Em vez disso, adote uma abordagem mais compassiva, focando em fazer escolhas alimentares que promovam o bem-estar físico e emocional.
  4. Evite comer por razões emocionais: Esteja atento às emoções que podem levar a comer emocionalmente, como estresse, tédio ou tristeza. Desenvolva estratégias alternativas para lidar com essas emoções, como praticar exercícios físicos, meditar ou conversar com um amigo.
  5. Faça escolhas alimentares balanceadas: Priorize alimentos nutritivos e variados, incluindo frutas, vegetais, grãos integrais, proteínas magras e gorduras saudáveis. Aproveite os alimentos que trazem conforto mas têm muitas calorias ocasionalmente, e mantenha um equilíbrio geral em sua dieta.

A alimentação consciente nos convida a abandonar a culpa e o julgamento em torno dos alimentos e aprender a aceitar e honrar nossos corpos exatamente como eles são. Em vez de nos punirmos por comer “mal”, devemos nos esforçar para fazer escolhas alimentares que nos façam sentir bem, tanto fisicamente quanto emocionalmente.

Em resumo, a alimentação consciente oferece uma abordagem compassiva e holística para a alimentação, ajudando-nos a reconectar com nossos corpos, honrar nossas necessidades e desenvolver uma relação mais saudável e equilibrada com a comida. Ao praticar a alimentação consciente, podemos aprender a comer de uma forma que nutre não apenas nossos corpos, mas também nossa mente e espírito.

Leia mais

Um sono de qualidade desempenha um papel crucial em nossa saúde e bem-estar geral. Estabelecer uma rotina de dormir adequada pode ajudar a garantir que tenhamos uma boa noite de descanso, promovendo não apenas a saúde física, mas também a saúde mental e emocional.

Aqui estão cinco dicas para uma noite de sono de qualidade:

  1. Mantenha um horário regular de sono: Tente ir para a cama e acordar aproximadamente no mesmo horário todos os dias, mesmo nos fins de semana. Isso ajuda a regular o relógio biológico do seu corpo e melhora a qualidade do sono.
  2. Crie um ambiente propício para dormir: Garanta que seu quarto seja confortável, fresco e escuro. Use cortinas blackout, reduza o ruído ambiente e mantenha a temperatura do quarto agradável para uma noite de sono tranquila.
  3. Evite estimulantes antes de dormir: Evite cafeína, nicotina e álcool algumas horas antes de ir para a cama, pois eles podem interferir no sono. Opte por atividades relaxantes, como tomar um banho quente, ler um livro ou praticar técnicas de relaxamento.
  4. Desconecte-se de dispositivos eletrônicos: Evite o uso de smartphones, tablets e computadores pelo menos uma hora antes de dormir. A luz azul emitida por esses dispositivos pode interferir na produção de melatonina, o hormônio do sono, dificultando o adormecer.
  5. Desenvolva uma rotina relaxante antes de dormir: Estabeleça uma rotina de relaxamento antes de dormir para sinalizar ao seu corpo que é hora de desacelerar. Isso pode incluir tomar um chá de ervas, praticar meditação ou alongamento suave, ouvir música relaxante ou escrever em um diário de gratidão.

Seguir essas dicas pode ajudá-lo a estabelecer uma rotina de sono saudável e a garantir uma noite de sono de qualidade. Lembre-se de que o sono é essencial para o seu bem-estar geral, e priorizar uma boa higiene do sono pode fazer maravilhas para sua saúde física e mental.

Leia mais