Certamente viajar é um dos grandes prazeres da vida. Ter uma ostomia não impedirá você de continuar vivendo grandes momentos e conhecendo lugares novos. O segredo para viajar com uma urostomia é planejamento! 

As dicas que preparamos para este post são dedicadas para quem tem uma urostomia.

#Dica 1: Use uma bolsa coletora de urina em viagens longas

Principalmente para passeios com longas caminhadas ou trilhas longas, por exemplo, utilize uma bolsa coletora de urina para leito ou mesmo um coletor de urina de perna.

Bolsa coletora de urina para leito

Você pode usar esse tipo de bolsa coletora, acoplada em sua bolsa de ostomia. Para carregá-la de forma discreta, sugerimos a idéia da fanpage “Urostomy Travel Bag by Chris“: a bolsa coletora é carregada em uma bolsa comum, à tira colo, e apenas o tubo conectado a bolsa de ostomia.

Então, a bolsa poderá ser carregada durante o seu passeio, e por conta da capacidade da bolsa coletora – 2 litros – você terá mais tempo para se divertir!

Como o tubo conector ficará por baixo da roupa e a bolsa próxima ao corpo, é praticamente imperceptível identificar a bolsa coletora. Além disso, carregue a bolsa na transversal, para equilibrar o peso da bolsa.

#Dica 2: Leve “banheiros de emergência” para esvaziar a bolsa em viagens de carro

Provavelmente uma das preocupações ao viajar de carro com uma urostomia é “como esvaziar a bolsa em um engarrafamento”?  Então, você pode solucionar este problema, utilizando uma das duas dicas abaixo:

Utilize também uma bolsa coletora de urina para leito

Com capacidade de armazenamento de 2 litros, é descartável e é utilizada para a coleta de urina no leito. Você pode pode encontrá-la em lojas especializadas em produtos de saúde, cirúrgicas e em algumas farmácias, e custam muito barato. Conecte-a em sua bolsa de ostomia e coloque-a em uma bolsa ou sacola, ao lado do seu banco no carro. Eventualmente, para viagens mais longas, leve mais de uma bolsa, para ter mais segurança.

Esvazie sua bolsa em um recipiente fechado

Além disso, um recipiente com tampa, vazio e com silica gel – para solidificar a urina – pode ser um item útil. Assim, se precisar esvaziar a bolsa em uma situação de emergência, poderá fazer isso no carro, esvaziando-a neste recipiente. Então, em sua próxima parada, você poderá descartar o recipiente. Leve alguns recipientes ou um item com maior capacidade e maior quantidade de silica gel para garantir a absorção até o descarte.

#Dica 3: Não descuide da hidratação! Desidratação é coisa séria

A desidratação é um problema sério. E durante a sua viagem, manter a hidratação adequada é crucial. É esperado que, durante as férias,  você perca mais líquidos. O clima mais quente, que aumenta a perda de água pelo suor, algum episódio de diarréia, em função da comida diferente – tudo isso pode contribuir. Por outro lado, os passeios mais longos e a diversão podem fazer você esquecer de ingerir líquidos, principalmente se não criou ainda este hábito.  Então fique atento:

  • Leve com você uma garrafa de água aonde quer que vá. Ou seja, não assuma que você encontrará água ao sair. É melhor manter sempre sua fonte de água tratada com você;
  • Se você sair para uma caminhada, ou para praticar outra atividade física, ter água disponível e ingeri-la constantemente é muito importante!

Que tal acompanhar a sua ingestão de líquidos durante a viagem com a ajuda de aplicativos no seu celular?

#Dica 4: Faz parte da viagem experimentar novos sabores. Mas alguns alimentos podem interferir no odor da urina

Um dos principais motivos do odor mais forte na urina é a ingestão insuficiente de água – até nas 48 horas anteriores. Mas, se além de atentar-se a #dica3 do post, você ainda estiver preocupado com maus odores na urina, saiba que alguns alimentos podem influenciar nisso:

  • alho,
  • cebola,
  • vegetais com caules verdes – como aspargos e brócolis,
  • couve-de-bruxelas,
  • curry,
  • salmão,
  • bebidas alcoólicas e
  • o bom e velho cafezinho.

Mas, a dica mais importante é que você não deve se privar de experimentar novos sabores! Não deixe de colecionar recordações felizes em sua viagem, evitando esse ou aquele alimento somente por conta do odor da urina. Mantenha a hidratação em dia, e prove de tudo, tomando cuidado com a quantidade ingerida.

#Dica 5: Não se esqueça de programar a troca da barreira da bolsa de urostomia para uma data próxima a da viagem

Está inseguro com vazamentos durante a viagem? Mudar a placa base e renovar a barreira da pele antes da partida dá confiança e maior segurança. Assim você fica mais tranquilo e curte mais a viagem!

Enfim, a sua viagem pode ser a trabalho, para conhecer um novo lugar, para descansar, para curtir a família, para namorar, para celebrar uma data importante, para repensar a vida. Não importa o motivo! Afinal, toda viagem diverte, enriquece a alma e renova a energia. Então, siga as nossas dicas e escolha seu novo destino.

Leia mais

Ter sempre um kit de emergência ao seu lado é um grande “pulo do gato”. Se houver qualquer incidente com a bolsa, você poderá solucionar o problema rapidamente e retornar às suas atividades cotidianas – ou à diversão!

Se você é ostomizado, já deve saber da importância de ter um kit de emergência sempre à mão. A dúvida: quais são os itens indispensáveis para carregar? É exatamente isso o que vamos explicar a seguir. Não perca!

Mas, afinal, quais são os itens essenciais para montar o kit de emergência?

Bolsa extra

Um item indispensável para carregar para onde for é uma bolsa de reserva. Você deve carregá-la para quando precisar lidar com vazamentos maiores, mais difíceis de solucionar com remendos ou reforços.

Tenha essa bolsa sempre com você ou, alternativamente, peça ao seu acompanhante para mante-la sempre por perto. Ah, e claro! Cuide para ter a bolsa já cortada (caso você tenha o hábito de cortar) e sempre ao alcance. Assim, você não se aperta com problemas no dia-a-dia.

Sacolas plásticas

Sacolinhas plásticas são leves, práticas e quase não ocupam espaço. Por isso, tenha sempre algumas em seu kit de emergência. Como medida de prevenção de problemas, é recomendado que cada pessoa tenha sempre pelo menos duas unidades disponíveis.

As sacolas servem para conter pequenos vazamentos, embalando a bolsa até chegar a um local em que seja possível a troca da bolsa de ostomia. Elas também podem ajudar no momento de descartar uma bolsa usada no lixo, evitando constrangimentos.

Fita hipoalergênica

A fita hipoalergênica é um verdadeiro curinga para os ostomizados. Afinal, o produto tem mil utilidades.

Com a ajuda de um rolo de fita, você pode conter alguns rasgos nas laterais da bolsa. Além disso, ela pode ajudar a firmar a placa na hora de correr ou praticar exercícios.

Pode ainda ajudar a fixar a bolsa junto ao corpo para que você  se movimente livremente sem que o equipamento se desloque.

Papel higiênico

E se eu estiver na rua e a minha bolsa começar a vazar? Além dos itens já citados, é indispensável contar com um pouco de papel higiênico. A justificativa é simples: ele não está disponível em muitos banheiros (públicos, principalmente), e você sentirá muita falta dele na hora da emergência.

O rolo não cabe junto aos demais materiais do kit de emergência? Leve com você algumas folhas dobradas…

Ao manusear a bolsa, você pode sujar a si mesmo ou a algum objeto próximo, e o papel estará lá para resolver a situação. Se a sua pele se dá bem com os lenços umedecidos, eles podem ser uma alternativa para substituir o papel comum.

Toalhas e sabonete

Alguns incidentes com a bolsa podem fazer com que você suje as mãos, ou até o corpo… E isso pode acontecer quando você não esta em casa. Nessas ocasiões, você precisa de um auxílio extra.

É exatamente para isso que servem a toalha e o sabonete. Da mesma forma que o papel higiênico, lembre-se de que muitos banheiros públicos não contam com esses itens. Assim, uma boa pedida é se prevenir!

Garrafas com água

Numa situação extrema (mas que infelizmente é comum), você pode acabar em um banheiro que não dispõe de água corrente. É por isso que algumas pessoas optam por carregar garrafinhas no kit de emergência.

Clipe de papel

Quem é ostomizado sabe que algumas bolsas possuem um clamp, uma espécie de grampo que abre ou fecha, e serve para prender a abertura de drenagem. Às vezes, esse clamp pode cair no vaso sanitário, durante a manipulação da bolsa. A situação é mais comum do que parece…

Idealmente, você vai ter um clamp de reserva com você mas, e se você não tiver? É exatamente essa a função do clipe de papel. Com ele, você consegue prender a abertura devidamente, mesmo sem o clamp. Quando um novo clamp estiver disponível, basta retirar o clipe cuidadosamente e fazer a substituição.

Dica extra: carregue uma troca de roupa

Seja no escritório, na casa de um parente próximo ou até na sua bolsa, ter consigo uma muda de roupa é uma opção comum entre pessoas ostomizadas, principalmente as que já tiveram experiências com situações emergenciais.

Vazamentos maiores podem ocorrer, e você corre o risco de se sujar antes mesmo de poder contornar a situação. Nesses casos, roupas sobressalentes salvarão o dia e você poderá cumprir as suas tarefas normalmente.

Conclusão: Apertos nunca mais com o seu kit emergência!

Viver normalmente após a ostomia é possível. Você só precisa criar alguns hábitos. Tenha sempre com você o seu kit de emergência e tenha uma rotina sem sustos!

Leia mais

De todos os procedimentos para confecção de uma ostomia, a colostomia é o mais comum. É possível levar uma vida normal após a cirurgia, mas algumas adaptações são necessárias. Como na alimentação, por exemplo. Nada muito radical: você apenas tem que entender o efeito que certos alimentos têm sobre o seu corpo. Vamos lá?

Logo após a cirurgia, a alimentação é um desafio mesmo. Os médicos já sabem disso e, por esse motivo, começam prescrevendo apenas alimentos muito leves e que não deixam resíduos, como água, chá e gelatina. À medida que esses alimentos são bem tolerados, a dieta pode progredir para caldos salgados leves, então para dieta pastosa (caldos mais espessos, papas, macarrão bem cozido, etc.) e depois para uma dieta leve. Se houver intolerância em qualquer um desses estágios, o médico interrompe a progressão.

A alta hospitalar deverá acontecer apenas depois que você estiver tolerando bem uma dieta mais leve. Aos poucos, você deverá introduzir novos alimentos e retomar, então, a sua dieta habitual.

Veja que a chamada dieta “normal” depois da colostomia é possível. Então, confira as nossas dicas e veja como fazer.

Mas, afinal, o que é colostomia?

colostomia é um tipo de ostomia intestinal de eliminação. Toda vez que o médico precisa produzir uma saída nova, artificial, para as eliminações de algum órgão interno nosso, trata-se de uma ostomia de eliminação. As mais comuns são a colostomia (que comunica o cólon ou intestino grosso com o exterior), a ileostomia (feita a partir do íleo, parte final do intestino delgado) e a urostomia (que liga o sistema urinário ao meio externo).

E por que alguém precisa de uma ostomia? Porque o caminho normal das eliminações não é mais possível para aquela pessoa. No caso da colostomia, as causas podem ser tumores, acidentes, doença inflamatória intestinal, pólipos, divertículos ou defeitos de nascimento.

Como as eliminações acontecem por uma saída artificial não é mais possível ter controle sobre elas e, por isso, é necessário acoplar a essa saída uma bolsa coletora. No caso da colostomia, a localização da bolsa vai depender do ponto do intestino grosso onde foi feito o procedimento, podendo ser à esquerda ou à direita, na região abdominal.

Dependendo da doença ou situação que provocou a necessidade da ostomia, ela pode ser temporária (quando há expectativa de reversão da cirurgia com o restabelecimento do trajeto normal das eliminações) ou permanente.

Orientação nutricional geral para quem possui colostomia

Diferentemente da expectativa que normalmente se tem em torno desse assunto, não há uma recomendação específica de dieta para o paciente colostomizado. A dieta a ser seguida deve ser sempre balanceada, mantendo-se atenção especial para dois aspectos:

  • a necessidade de se manter sempre bem hidratado – a presença da colostomia indica a possibilidade de uma perda acentuada de líquidos, principalmente se há diarreia, por isso é importante assegurar a ingestão de seis a oito copos de água todos os dias;
  • alguns alimentos, apesar de bem tolerados, podem trazer algum sintoma incômodo, como a bolsa inflada, aumento do odor das fezes, etc. Por esse motivo, é importante conhecer bem os efeitos de cada alimento sobre o seu organismo e, assim, poder evitar aqueles que trazem algum desconforto.

Uma boa dica é introduzir um novo alimento no seu cardápio de cada vez, e sempre em pequenas quantidades. Assim, se esse alimento for bem tolerado, você segue em frente e aumenta a quantidade numa próxima vez. Se causar algum desconforto, a orientação é suspender a sua ingestão por algumas semanas e, depois disso, tentar novamente.

Fibras

Quando estiver planejando o seu dia-a-dia, é preciso levar em conta a importância das fibras em sua dieta. Procure ingerir esse tipo de alimento todos os dias, mas sem exagero. Exemplos de alimentos com alto teor de fibra:

  • Pipoca
  • Soja;
  • Grão de bico;
  • Lentilha;
  • Centeio;
  • Milho;
  • Linhaça;
  • Aveia;
  • Frutas e legumes com casca
  • Broto de bambu
  • Acelga chinesa (bok choy)
  • Brócolis chinês
  • Lotus
  • Repolho chinês
  • Nozes
  • Escarola;
  • Espinafre;

Gases

Sabemos que os gases e ruídos são produzidos normalmente em nosso sistema digestivo. Ou seja, o fato de isso acontecer não implica em nenhum problema de saúde para você. Apesar disso, pode ser especialmente embaraçoso para o paciente colostomizado lidar com esses sintomas. Então, para diminuir a liberação de gases, você deve evitar (ou reduzir) o consumo de alguns alimentos. São eles:

  • Farinha branca;
  • Aspargos;
  • Repolho;
  • Bebidas com gás;
  • Leite, queijo e os outros laticínios de alta fermentação;
  • Cebola;
  • Alimentos muito condimentados;
  • Feijão
  • Peixes e frutos do mar.

Odor

Da mesma forma que os gases e o ruído, a presença de odor nas eliminações da colostomia é normal, esperada – e não representa nenhum problema de saúde. Mas também pode ser causa de incômodo, principalmente em situações de convívio social. Por isso, é importante conhecer os alimentos que causam odor nas fezes:

  • Ovos;
  • Cerveja;
  • Alguns e peixes e frutos do mar;
  • Bebidas gaseificadas/ refrigerantes;
  • Laticínios;
  • Alho;
  • Bebidas alcoólicas

Conclusão: com um ou outro pequeno ajuste, você pode ter uma dieta absolutamente normal, se tiver uma colostomia!

Agora você já conhece as orientações nutricionais para quem tem uma colostomia, é importante saber que você deve recorrer ao médico em caso de cólicas, diarreia ou náuseas.

Dado o recado, aproveite esse momento para recuperar as energias, pois você passou por uma cirurgia. E, claro, se procure se adaptar à nova rotina no seu ritmo.

Pode ser desafiante no início mas, você vai ver: logo você se acostuma.

Leia mais

O começo do ano é aquela época em que todo mundo faz promessas e estabelece metas para os próximos doze meses. Começar a dieta, colocar as contas em dia, iniciar uma atividade física – tudo isso faz parte da lista de compromissos que assumimos todos os anos. De todas essas promessas, vamos conversar sobre uma muito especial, a prática de exercícios físicos.

Antes de mais nada: se você não lembrou de incluir a prática de uma atividade física entre as suas metas para o novo ano, está na hora de revisar a sua lista! Afinal, praticar exercícios é fundamental para manter ou melhorar a saúde, seja você ostomizado ou não.

Sou ostomizado. Posso praticar atividades físicas?

Se você acha que não pode praticar atividades físicas por ser ostomizado, pense diferente! Além de permitida, a prática de esportes por pacientes que se submeteram a uma ostomia deve ser incentivada.

O primeiro passo é discutir o assunto e conseguir a autorização de seu médico – o que normalmente acontece após a recuperação completa da cirurgia, com a cicatrização dos tecidos internos que foram operados**.** Segundo o ortopedista Dr. Marco Otani afirma na Folha de São Paulo, o período de recuperação da cirurgia é de seis meses, mas pode variar de um indivíduo para outro. Siga sempre a orientação do seu médico.

Resolvida essa etapa, é hora de começar a se exercitar. Mas, qual modalidade escolher?

A melhor atividade física

A melhor atividade física é aquela que dá mais satisfação a você. Seja na academia ou ao ar livre, praticada individualmente ou em grupo – se você tem prazer na atividade você vai pratica-la com regularidade, caso contrário fica bem mais difícil.

Se você já tinha o hábito de se exercitar antes da cirurgia, não há porque não retomar a prática esportiva que você já conhece e aprecia. Aproveite o momento da autorização para conversar com o seu médico a respeito.

Se você está começando, saiba que existem algumas modalidades que você deve evitar. Os esportes de contato, com maior impacto corporal precisam ser avaliados com cuidado se você é ostomizado. Há riscos de lesões, contusões e outros problemas, se o esporte incluir contato físico intenso ou pancadas. Assim, procure evitar:

  1. Lutas e outras artes marciais
  2. Futebol
  3. Basquete

A prática da musculação pode ser incluída na sua rotina, mas sempre com cuidado – procure ajuda de um profissional especializado. O esforço para movimentar cargas muito pesadas pode trazer complicações para a ostomia, como hérnias e prolapsos.

Aproveitando que faz calor nessa época do ano, saiba que as práticas que envolvem água, como a natação e a hidroginástica, estão liberadas.

Qualquer que seja a sua opção, procure incluir em seu programa atividades que contemplem todos os pilares do treinamento: força muscular, preparo cardiorrespiratório, flexibilidade e equilíbrio. Um profissional de educação física pode ajudar você nisso.

Comece aos poucos

Se o seu médico autorizou a prática de exercícios e você já escolheu a modalidade, é hora de calçar o tênis, ou colocar o maiô e começar!

O importante é começar aos poucos, sem exageros. Vários fatores podem contribuir para uma redução da sua massa magra e, com ela, uma perda da sua força muscular: sua doença de base, o impacto da própria cirurgia sobre o seu organismo, a cicatrização, etc**. Então comece com exercícios de intensidade bem leve, e aumente a intensidade e a duração dos exercícios de maneira gradual.** Assim, você dá tempo para seus músculos se recuperarem e garante que vai colher os benefícios da atividade física, sem correr os riscos de uma lesão.

Cuidado com a aderência da bolsa

Uma dica especial para os ostomizados esportistas é que a placa da bolsa deve estar sempre bem aderida ao corpo – a transpiração, a água da piscina e mesmo a movimentação do corpo podem precipitar algum incidente coma bolsa. É importante que você dedique tempo e atenção para fixar o dispositivo de maneira firme, pelo menos uma hora antes do início dos exercícios. Se precisar, invista num cinto ou numa faixa, para melhor fixação. Além disso, você pode aproveitar esse intervalo e esvaziar a bolsa antes de começar a se aquecer. Assim, você evita os riscos de vazamento.

Não se esqueça da hidratação

Correu, nadou, suou? Hidrate-se! Lembre-se que todos nós precisamos ingerir de seis a oito copos de água todos os dias. Com o calor e a atividade física, essa necessidade aumenta ainda mais. Especialmente para quem tem alguns tipos de ostomia, que apresentam maior propensão à desidratação.

Corpo são, mente sã

As atividades físicas são importantíssimas para todas as pessoas, com ou sem ostomia. Afinal, além de manter o corpo em forma, elas melhoram a autoestima e ajudam na integração social.

Agora você já sabe: ter uma ostomia não impede você de praticar exercícios. Então, você só precisa conversar com seu médico, selecionar sua modalidade e começar. Comece a cumprir a sua promessa ainda hoje e tenha um ano mais saudável!

Ficou com dúvidas?

Envie sua pergunta a um dos especialistas da comunidade Osto+ – receba a resposta por e-mail gratuitamente!

Leia mais

Se você é ostomizado, já sabe que a alimentação, assim como a rotina, é uma das coisas que precisam de adaptação após a cirurgia. Mas, claro, isso não significa que só porque sua rotina foi alterada, que você deve parar de aproveitar os alimentos.

O seu organismo precisa de um certo período para se recuperar da cirurgia. Por isso, o pós operatório exigirá algumas restrições na alimentação, mas, no geral, você não precisa realizar grandes mudanças. Não se preocupe: no começo, você vai contar com a orientação do seu médico em relação ao que deve ou não comer. À medida que deixa o momento da cirurgia para trás, você pode ir retomando o mesmo hábito alimentar que tinha antes da cirurgia.

Em caso de dúvidas, é óbvio que o seu médico precisa sempre ser consultado, isso é muito importante! Mas, vamos aos cuidados na alimentação que precisa ter em mente se você for ostomizado.

Orientações gerais para alimentação do ostomizado

A grande verdade é que você não precisa, necessariamente, seguir uma dieta específica por conta da ostomia. A recomendação dietética para pessoas que passaram por essa cirurgia é uma só e é muito simples: manter uma dieta balanceada. Para que você viva bem com o seu corpo, será preciso apenas conhecer os alimentos, o que eles causam no seu corpo e ter bom senso e moderação sobre quanto comer.

Claro, se você tiver outros problemas de saúde, como diabetes, hipertensão, doença inflamatória intestinal, etc., precisará seguir as orientações nutricionais específicas para lidar com esses problemas. Até aí, nada de novo, certo?

Sabendo disso, confira abaixo as orientações gerais:

  • Alimente-se de forma regular: você não precisa passar muitas horas sem se alimentar, para evitar algum odor ou gases, por exemplo. Longos períodos de jejum não só não reduzem o odor das eliminações, como podem mesmo aumentar a produção de gases! Por isso, o recomendado é que você se alimente em porções menores e com maior frequência para o seu organismo digerir e absorver o que você está comendo;
  • A mastigação faz diferença: Se você focar em mastigar bem os alimentos, a maioria deles não irá te causar nenhum prejuízo. Agora, se você não mastigar, possivelmente sentirá desconforto, inchaço na barriga e até uma maior produção de gases.
  • Consuma muito líquido: O ideal é que você consiga consumir diariamente de seis a oito copos, que pode ser de água, chá e até isotônico.
  • Evite alimentos que já lhe causavam gases antes da ostomia: Sabe aqueles alimentos que antes da cirurgia você comia e se sentia estufado, desconfortável e até acontecia de você liberar mais gases que o normal? Então, não os coma depois de ostomizado, porque o seu organismo irá reagir da mesma forma.

Cuidados na alimentação: O que você deve saber sobre os alimentos?

Para que você entenda como irá funcionar sua alimentação a partir de agora, é fundamental que conheça um pouco mais sobre os alimentos e sobre o que o seu corpo precisará neste momento. Como os alimentos com alto teor de fibra, por exemplo, que devem ser incluídos na sua alimentação em pequenas quantidades.

Exemplos de alimentos com alto teor de fibra:

  • Soja;
  • Grão de bico;
  • Lentilha;
  • Linhaça;
  • Aveia;
  • Frutas com casca;
  • Legumes e verduras com casca (mas priorize os cozidos. Legumes e vegetais crus podem obstruir o estoma)
  • Broto de bambu
  • Acelga
  • Escarola;
  • Espinafre;

Já sabemos que os gases e ruídos são normais, isto é, o processo normal de funcionamento do sistema digestivo produz gases e a passagem desses gases pelos intestinos gera ruídos . Mesmo assim, para diminuir a liberação de gases, você deve evitar (pelo menos reduzir) alguns alimentos:

  • Aspargos;
  • Repolho;
  • Bebidas com gás;
  • Leite, queijo e os outros laticínios de alta fermentação;
  • Cebola;
  • Alimentos muito condimentados.

Embora seja uma situação desconfortável, odor nas eliminações da estomia intestinal também é algo normal. Na maioria dos casos, a bolsa possui um material bem resistente ao odor. Ainda assim, se você quer minimizar o odor forte, é interessante evitar o consumo dos seguintes alimentos:

  • Ovos;
  • Queijos e leites de origem animal fermentados;
  • Feijão;
  • Alho;
  • Peixes

Por outro lado, alguns alimentos podem ajudar a controlar os odores das fezes. Logo, eles podem ser aliados para balancear os odores, quando ingerir algum dos alimentos produtores de odor, citados acima ou em outra situação especial:

  • Salsa;
  • Pêra;
  • Suco de tomate;
  • Iogurte;
  • Creme de leite azedo (Buttermilk)

Agora, se a sua preocupação é com a consistência das fezes, existem alimentos que aumentam essa consistência (“prendem” o intestino) e outros que diminuem (“soltam”). Veja abaixo e entenda quais são eles:

Alimentos que aumentam a consistência das fezes

  • Queijo e laticínios no geral;
  • Bananas;
  • Massas e farinhas no geral;
  • Batatas

Alimentos que diminuem a consistência das fezes

  • Chocolate;
  • Leite;
  • Alimentos com muito condimento;
  • Legumes e frutas crus;
  • Café;
  • Chá.

Além disso, é interessante que você saiba também que os alimentos de cor intensa, como gelatina de cor avermelhada, açafrão da terra e beterraba, podem alterar a cor das suas fezes. Portanto, não se preocupe com a cor das fezes, se caso você consumir esses alimentos. Mas, caso você perceba que as alterações não se normalizam, procure o seu médico.

É simples se alimentar adequadamente sendo ostomizado

Enfim, viu como não é tão complicado? Conhecendo o seu corpo e os efeitos de cada alimento, é simples se alimentar sem correr o risco de passar por algum desconforto.

Afinal, o importante, de verdade, é que você aposte numa alimentação saudável e balanceada, incluindo alimentos de todos os grupos de maneira moderada. Inclua proteínas, fibras e carboidratos e faça com que a sua alimentação e a sua vida sejam muito felizes e recompensadoras!

Leia mais

ileostomia é um procedimento de ostomia feito a partir do íleo, parte final do intestino delgado. Com certeza, nestes casos alguns cuidados especiais com a alimentação devem ser tomados. Confira!

Entre as indicações mais comuns para a realização de um procedimento de ileostomia, estão as Doenças Inflamatórias Intestinais: Doença de Crohn e Colite Ulcerativa. Essas doenças, por si só, já impõem uma série de restrições à dieta da pessoa acometida. De fato, é comum que, após a colocação da ileostomia, a pessoa possa abandonar algumas dessas restrições e até ter uma dieta normal, em muitos casos.

Orientação nutricional, se você tem uma ileostomia

Se você realizou o procedimento recentemente, a primeira coisa que você precisa entender sobre a alimentação é que a base da alimentação do indivíduo ostomizado é a mesma de todas as pessoas: uma dieta balanceada.

Ainda assim, pode ser que, nas primeiras semanas após a cirurgia, o seu médico oriente algum tipo especial de dieta. A tendência, porém, é que, passado esse período de recuperação, você possa retomar a sua dieta habitual.

É claro que cada pessoa reage de uma forma diferente aos alimentos e, por isso, a duração dessa fase inicial de adaptação varia conforme o individuo.

Isso significa que, além da orientação nutricional que apresentamos aqui, é importante que você entenda e respeite seu corpo. Esteja sempre atento aos alimentos que causam desconforto, prisão de ventre, diarréia, maus odores ou gases para você.

Se não sabe o que causa esses desconfortos em você, uma dica é experimentar vários alimentos, um (ou alguns) de cada vez e em pequena quantidade, e observar os efeitos que causam. Assim, você consegue eliminar de forma simples os alimentos que causam sintomas indesejados.

Outra orientação importante, se você tem uma ileostomia, é ingerir muitos líquidos (água, chás, sucos, etc.) diariamente. Além disso, é conveniente evitar alimentos com alto teor de fibras, pois estes podem causar uma obstrução (ainda que temporária) do íleo, dificultando a passagem pelo estoma.

Então, o que fazer?

Mastigue bem a comida, beba muita água e, no caso dos alimentos, você pode começar ingerindo:

  • Frutas e legumes cozidos, mas, evitar os vegetais folhosos;
  • Arroz e outros grãos integrais;
  • Alimentos que neutralizam o odor das fezes, como é o caso do chuchu, cenoura, iogurte natural, pipocas, chá concentrado de salsinha, chá de casca de maçã e folha de goiaba.

Além dessa orientação nutricional geral, é importante que você não pule as refeições. Essa prática não só dificulta a manutenção de uma dieta equilibrada, como não a ajuda a reduzir a produção de gases intestinais (ao contrário do que se pensa).

Na verdade, é fundamental que você se alimente com a freqüência e a qualidade certas, para assegurar o bom funcionamento da ostomia e, claro, manter-se forte e com saúde!

Medicamentos

Uma palavra sobre Medicamentos. Se você foi submetido a uma ileostomia,  então precisa saber que alguns deles (comprimidos recobertos, cápsulas de liberação programada, tabletes grandes, etc.) poderão atravessar todo o seu tubo digestivo sem ser completamente digeridos e aparecer dentro da bolsa de ileostomia. Por isso, é importante você avisar ao seu médico ou dentista que tem uma ileostomia. Ele poderá adaptar a sua prescrição de acordo com isso, prescrevendo medicamentos na forma de soluções, por exemplo.

É importante lembrar também que, se você é portador de uma ileostomia, deve evitar medicamentos com efeito laxativo. Uma diarreia, numa pessoa com uma ileostomia, pode causar efeitos graves, como desidratação e problemas no metabolismo dos minerais e eletrólitos.

Finalmente, lembre-se que medicamentos podem causar outras alterações na eliminação das fezes (na cor, no cheiro, na frequência das evacuações, etc.), o que pode ser motivo de preocupação para a pessoa ostomizada. Na dúvida, consulte sempre seu médico.

Viu? É mais fácil do que você pensava…

Seguir uma dieta balanceada, evitando alimentos que causam desconforto ou problemas. Ingerir uma boa quantidade de líquidos todos os dias. Avisar o médico no caso de sintomas inesperados, que persistam apesar das medidas normais de auto-cuidado… Nada disso é novo para você.

Pequenas adaptações, aqui e ali, podem tornar o dia a dia muito mais fácil. E alimentar-se pode voltar a ser um prazer… É como dizia Hipócrates, o pai da Medicina: seja o alimento o seu remédio!

Leia mais