Salute

Adolescentes com diabetes: como se cuidar bem com independência

Em geral, os adolescentes enfrentam muitos desafios para começar uma nova etapa da vida, especialmente após concluírem o ensino médio. 

Nessa fase, alguns já trabalham, já ganham seu dinheiro, outros precisarão aprender. Nessa etapa, também, muitos têm o objetivo de concluir os estudos, quem sabe entrar numa faculdade, talvez construir relacionamentos mais sérios, etc.

Além disso, se estiverem saindo da casa de seus pais pela primeira vez, enfrentarão todos os desafios do dia-a-dia, sem a ajuda deles, com menos estrutura em sua rotina. 

Com certeza, essas mudanças de rotina podem ter ainda mais impacto para adolescentes com diabetes.

Afinal, durante a infância os pais realizam diversas tarefas de cuidado com o diabetes e a organização da rotina, por exemplo:

  • Os pais levavam o filho a consultas médicas, pegavam remédios e forneciam alimentação nutritiva, completa e balanceada. 
  • Tinham o papel principal no cuidado diário do diabetes (medições de glicemia, aplicação de insulina, manejo de hipo/hiperglicemia), especialmente para crianças pequenas. 
  • Ajudavam o filho a chegar na escola, participar de atividades extracurriculares, festas de aniversário e outros eventos sociais.

No entanto, é natural que os adolescentes a caminho de se tornarem adultos busquem mais independência e controle sobre suas vidas, mas é preciso cuidar para que isso não signifique menos controle sobre seu diabetes. 

Desafios dos adolescentes com diabetes

Geralmente, nessa fase, os maiores desafios dos adolescentes e adultos jovens são:

  • Gerenciar a rotina, desde comer bem, até tomar insulina;
  • Encontrar médicos e clínicas;
  • Agendamento de consultas médicas;
  • Ter suprimentos para diabetes sempre em mãos.

Por isso, em geral, os jovens precisam de alguma ajuda dos pais para equilibrar com sucesso sua nova independência, com o autocuidado do diabetes.

Cuidados de rotina com a saúde

Por exemplo, eles precisarão saber como lidar com o lado prático do diabetes realizando as seguintes tarefas:

  • Como obter uma receita médica, comprar os medicamentos e pagar por eles;
  • Abastecer-se dos produtos necessários (seringas, agulhas, lancetas, etc.);
  • Agendar consultas médicas;
  • Entrar em contato com seus médicos quando em dúvida ou situação de intercorrência;
  • Lidar com os dias mais difíceis por conta do DM1.

Além disso, também terão os problemas cotidianos que vêm com a vida do jovem adulto:

  • Tempo limitado;
  • Dinheiro limitado;
  • Horários irregulares;
  • Escolha de comida;
  • Preocupações com baixo nível de açúcar no sangue (hipoglicemia);
  • Menos suporte e atenção dos pais que, agora, não fazem mais parte da sua rotina diária.

Apesar de os cuidados com o diabetes serem frequentes e essenciais, pode acontecer de os adolescentes se cansarem dessa rotina de cuidados diários e, então, esquecê-los ou ignorá-los.

Porém, isso pode ser muito perigoso, especialmente quando os pais não estão lá para perceber e tentar ajudar.

Evite falhas no cuidado com o diabetes

Como é uma fase em que várias mudanças acontecem ao mesmo tempo, como novos médicos, uma nova casa, etc., os jovens são mais propensos a descuidar da rotina – faltar às consultas e exames ou mesmo esquecer dos cuidados com o DM1.

Além disso, outras barreiras podem dificultar para adolescentes e jovens adultos se tornarem independentes com seus cuidados de saúde:

  • Obter uma referência para um novo médico (do endocrinologista infantil para um endocrinologista de adultos);
  • Dificuldades de horário para conseguir uma consulta;
  • Ter tempo para comprar todos os insumos de diabetes.

Cuidados nessa fase são essenciais

No entanto, nessa fase, os adolescentes e adultos jovens com diabetes têm um risco muito maior de complicações e problemas de saúde.

As causas mais comuns incluem hipoglicemia (baixa de açúcar no sangue) e cetoacidose diabética (CAD).

Por isso, ficar perto das metas recomendadas de açúcar no sangue ajuda muito a evitar esses problemas de saúde e outros no futuro. 

Contudo, à medida que adolescentes e adultos jovens com diabetes fazem a transição de cuidados pediátricos para adultos, os cuidados podem não acontecer como antes, e o risco de piora nos controles da glicemia (e complicações associadas) aumenta.

Prepare-se para a mudança

Nessa fase, é fundamental ajudar os adolescentes a se prepararem para gerenciar seus cuidados com o diabetes antes de saírem de casa para viverem longe dos pais. 

Confira algumas recomendações:

  • Pais, adolescentes e pediatras podem trabalhar juntos para coordenar os cuidados com os novos médicos e criar um plano para os próximos dois anos.
  • Os pais podem compartilhar dicas práticas, como rotinas e alimentos saudáveis, além do dia-a-dia com os médicos.
  • Os pais podem garantir que seu adolescente ou jovem adulto tenha esta lista de verificação básica antes de sair de casa:
    • Manter os suprimentos organizados para saber o que tem e onde acessá-los facilmente.
    • Levar consigo lanches saudáveis ​​para evitar o alto nível de açúcar no sangue;
    • Manter sempre perto as informações de contato do médico e as informações de prescrição em um local acessível.
    • Informar às pessoas próximas que você tem diabetes e como ajudá-lo, se necessário.
    • Ter um plano para os dias de doença.
    • Saber para quem pedir ajuda, se precisar.
    • Ter suprimentos à mão para controlar o baixo nível de açúcar no sangue;
    • Ficar em contato com seu médico e entrar em contato se tiver dúvidas ou preocupações.

Suporte nessa fase de transição é fundamental

O apoio da família é o indicador mais forte de que adolescentes e jovens adultos seguirão seu plano de tratamento para diabetes. 

Nessa fase,os pais podem ser uma “equipe da casa” para ajudá-los a permanecer no caminho certo à medida que se tornam mais auto suficientes.

Confira algumas recomendações para os pais:

  • Respeite a independência, mas permaneça em contato. Pergunte como você pode ajudar, caso ele precise.
  • Ajude seu filho adolescente a entender como funciona o plano ou seguro saúde, bem como seus benefícios e limitações.
  • Lembre os adolescentes sobre os benefícios de curto prazo de gerenciar seu diabetes, não apenas fale dos problemas de saúde de longo prazo. 
  • Pergunte sobre quaisquer problemas da vida que possam estar atrapalhando o autocuidado, como comprar os suprimentos e manter consultas médicas.
  • Incentive seu filho adolescente a buscar serviços de educação e suporte de autogestão de diabetes (DSMES).

Quer saber mais sobre diabetes tipo 1?

Tem outras dúvidas ou quer conhecer outras pessoas que também estão convivendo com o diabetes? Então, convide outras pessoas a se cadastrarem e receberem os conteúdos da Rede Tipo1!

Seu endereço de email não será publicado Required fields are marked *

*